Qualidade e Pureza

Programa de Qualidade do Café, criado em 2004, certifica a qualidade do produto final por meio de uma metodologia de análise sensorial, e classifica e diferencia os cafés em 4 categorias: Gourmet, Superior, Tradicional e Extraforte. Além de certificar o produto, a empresa é auditada quanto às boas práticas de fabricação de todo o processo de industrialização, para garantir consistência.

Histórico

Em 2004, a ABIC enfrentou seu segundo desafio, o lançamento do Programa de Qualidade do Café – PQC, um passo decisivo para reorientar o setor e, consequentemente, mudar a percepção do consumidor fazendo com que este abandone a crença de que os cafés são todos iguais.  A intenção do Programa em aumentar ainda mais a qualidade do café oferecido se baseou numa  estratégia  simples e objetiva: consumidor satisfeito consome mais.

Fundamentado na premissa de que a qualidade é a forma principal do consumo de café e que a adesão ao programa significa um comprometimento da indústria  com a adoção de padrões de qualidade da matéria-prima, manutenção de sabor ao longo do tempo, além de boas práticas de fabricação, o PQC serviu como ferramenta de aperfeiçoamento para as torrefações, não apenas para produzir um produto melhor, mas, também, assegurar  consistência da qualidade do café e do processo industrial, garantindo repetibilidade do padrão de qualidade em todos os lotes produzidos.

O PQC é o único programa de certificação do produto final e que garante qualidade tanto do processo quanto do produto. Consolida-se como elo de confiança entre a indústria e os consumidores e pretende avançar sobre as questões básicas para uma verdadeira oferta de produtos melhores.

Diferenciar e certificar o café por categorias de qualidade permite que o consumidor identifique e escolha o sabor que mais lhe agrada.

Como todo programa que incorpora novos conceitos e atitudes, além de exigir a adequação da própria indústria, o PQC iniciou lentamente e ganhou corpo com a maior adesão das indústrias e maior parceria do varejo. Hoje, diversos supermercados já expõem as marcas por categorias de produtos e muitos consumidores escolhem seus cafés através da experimentação comparativa.

Como funciona?

Para participar do programa e obter a certificação de Qualidade ABIC, é necessário que a empresa interessada tenha toda a documentação legal e que seu produto passe por uma análise de microscopia, para avaliação quanto à pureza, e uma análise sensorial, para verificação da qualidade do produto e por fim uma verificação quanto ao cumprimento das Boas Práticas de Fabricação.

Após a associação, a ABIC realiza o monitoramento do produto certificado, diretamente no mercado nacional através de coletas realizadas diretamente nos pontos de vendas (PDV) para verificação da conformidade e renovação da certificação dos produtos disponíveis ao consumidor que sejam certificados pela ABIC. Após a coleta, o produto segue para um laboratório credenciado para realização das análises de microscopia e sensorial.

Análise de Microscopia

A microscopia de alimentos pode ser definida como um método analítico que, utiliza técnicas micro analíticas, baseadas na observação microscópica, para controle de qualidade de alimentos, identificando ocorrências de fraudes (adição intencional), ou presença de impurezas (cascas e paus) e matérias estranhas (de sedimentos: areia, pedras, etc.). O café para ser avaliado de forma microscópica, primeiramente precisa passar por um processo de desengorduramento para após poder ser visualizado através de uma lupa ou microscópio ótico.

LABORATÓRIOS PARA A REALIZAÇÃO DE ANÁLISE DE MICROSCOPIA:

EXATTUS Análises e Consultoria Técnica Ltda.
Rua Goitacazes, 375 loja 2 e 4 – Centro – Belo Horizonte/MG – 30190-050
E-mail: margarete.azevedo@exattus.net.br
Telefone: (31) 3309-2034

CETAC – Centro técnico de análise de Café
Endereço: Rua Tupis, n.º 457 – 7º andar – Centro, Belo Horizonte – MG, CEP: 30.190-060
E-mail: laboratorio@sindicafe-mg.com.br
Telefone: (31) 3226-2757 

 

ITAAL – Instituto Técnico de Análise de Alimentos Ltda.
Avenida Padre Almir Neves de  Medeiros 1055- Bairro Sobradinho, CEP: 38701-118
E-mail: vendas@laboratorioitaal.com.br
Telefone: (34) 3821-5265

SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Escola Senai
Rua Tagipuru, 242 – Barra Funda – São Paulo/SP – 01156-000
E-mail: lilian.duarte@sp.senai.br
Telefone: (11) 3279-7440

Análise Sensorial

Avaliação da Qualidade Global da Bebida é a percepção conjunta dos aromas da bebida e de seu grau de intensidade, sendo que quanto mais aromático, melhor a qualidade do café; dos sabores característicos de cada bebida do café; de um amargor típico, mas não o resultante de torra excessiva; da presença não preponderante do gosto de grãos defeituosos; da inexistência do gosto característico de grãos fermentados, tudo se traduzindo numa sensação agradável durante e após a degustação.

A avaliação da qualidade da bebida café é feita por provadores treinados em laboratórios credenciados por meio de análise sensorial e leva em conta aroma, acidez, corpo, adstringência, fragrância do pó e amargor, entre outras características. A categoria de qualidade do café é determinada conforme a avaliação de seus atributos. Esta classificação, que é única no mundo, auxilia o consumidor a decidir qual a qualidade do café que deseja ao adquirir.

LABORATÓRIOS PARA A REALIZAÇÃO DE ANÁLISE SENSORIAL:

Carvalhaes
E-mail: lab@carvalhaes.com.br
Tel: (13) 2102-5778
Contato: Eduardo Carvalhaes

 

COFFECCINA
E-mail: camila@coffeccina.com.br
Tel: (11) 3125-3160
Contato: Camila Arcanjo

 

ITAL – Instituto de Tecnologia de Alimentos
E-mail: alinegarcia@ital.sp.gov.br
Tel: (19) 3743-1804
Contato: Aline Garcia

Monitoramento

Abaixo, demonstramos de forma simples como acontece todo o processo:

Organismos Certificadores

• ABS Quality Evaluations
E-mail: fpimenta@abs-qe.com
Tel: (11) 2595-4202
Contato: Fernando Pimenta

E-mail: edlima@abs-qe.com
Tel: (11) 2595-4202
Contato: Eduardo Lima

• Fundação Carlos Alberto Vanzolini
E-mail: flavia.ferreira@vanzolini.org.br
Tel: (11) 39137122
Contato: Flávia

E-mail: 
certific@vanzolini.org.br
Tel: (11) 39137129
Contato: Simone

• RINA Brasil Serviços Técnicos Ltda
Email: renata.grotta@rina.org
Tel: (11) 5054-3332 / (11) 99753-5632
Contato: Renata Grotta

Email: lucia.nunes@rina.org
Tel: (11) 5054-3332 / (11) 93033-0869
Contato: Jose Salvador

Email: carlos.carmo@rina.org
Tel: (11) 5054-3332 / (11) 98701-9715
Contato: Carlos Carmo

Email: heliza.andrade@rina.org
Tel: (11) 5054-3332 / (31) 98478-2546
Contato: Heliza Andrade 

Email: raafael.mendes@rina.org
Tel: 11 5054-3332 / 11 93033-0871
Contato: Rafael Mendes

SGS do Brasil Ltda
E-mail: romolo.jesus@sgs.com
Tel: (11) 3883-8985 (Romolo)
Contato: Romolo Jesus

E-mail: suzy.santos@sgs.com
Tel: (11) 3883-8942
Contato: Susy Santos

TÜV NORD Brasil – BRTÜV
E-mail: raraujo@tuv-nord.com
Tel: (11) 4689-9400 Rm: 2051 / (81) 98828-1110 (whatsapp e celular)
Contato: Rafaelle Araujo

E-mail: nmafra@tuv-nord.com
Tel: (11) 4689-9400 Rm: 2051 / (11) 99483-7130 (whatsapp)
Contato: Noemi A. Mafra

QIMA BRASIL LTDA
Email: comercial@wqscert.com
Tel: (14)3333-1656
Contato: Departamento Comercial

Categorias de Qualidade

Cafés Especiais

A categoria de café ESPECIAL possui bebida com alta doçura, baixo amargor e alta qualidade de acidez podendo apresentar os descritores intensos dos florais, frutados, baunilha e até levemente alcoólico e especiarias,  mas que depende da espécie, terroir ou blend e não necessariamente todos os aromas em conjunto, mas de intensidade alta e perceptível.

Cafés Gourmets

A categoria de café GOURMET, possui características de uma bebida de baixo amargor, acidez e doçura moderada a alta, com destaque para os atributos frutado e floral. Em relação à percepção dos consumidores, a categoria é percebida como um café suave, porém, doce, ácido, frutado e cítrico. Esta categoria tem como matéria-prima principal uma pequena parcela dos cafés cultivados no Brasil.

Cafés Superiores

A categoria de café SUPERIOR é caracterizada como uma bebida de amargor, doçura e acidez variando de leve a moderado e possui alguns atributos adicionais como o sabor amendoado e chocolate. Em relação à percepção dos consumidores, a categoria é percebida como um café suave, com um amargor e acidez leve, frutada com notas de caramelo. 

Cafés Tradicionais ou Extraforte

 

As categorias de café TRADICIONAL e EXTRAFORTE são caracterizadas por atributos sensoriais com uso de uma análise técnica baseada no Perfil Sensorial Descritivo, possuindo características de uma bebida de amargor de moderado a intenso, pouca doçura, encorpado e adstringente. Outro atributo adicional comuns é o sabor amadeirado e tem como matéria-prima principal a maioria dos cafés cultivados no Brasil. Estas categorias são percebidas pelos consumidores como uma bebida marcante, com amargor de moderado a intenso.

Produtos Certificados

Pesquise aqui os produtos certificados pela ABIC (lista atualizada em 19/02/2024); ao pesquisar, não use acentos gráficos.

Rolar para o topo
X